Controle tecnológico do concreto: economia e durabilidade

Uma obra de engenharia civil exige estratégia no planejamento e na execução. Para cada um real investido em projeto, a mitigação de uma possível patologia na execução custa cinco vezes mais; na manutenção preventiva, custa 25 vezes mais; e na manutenção corretiva, 125 vezes. A chamada “Lei dos 5” foi utilizada pelo engenheiro civil e consultor em tecnologia e controle de qualidade do concreto Raphael Holanda para enfatizar o impacto de um bom trabalho com concreto na engenharia civil. Holanda, diretor técnico da empresa Holanda Engenharia, apresentou a palestra “A importância do controle tecnológico do concreto na construção civil”, em 18 de abril, no Clube de Engenharia. O evento foi promovido pela Diretoria de Atividades Técnicas (DAT) e a Divisão Técnica de Estruturas (DES).

Materiais, aplicação e desforma
O controle tecnológico do concreto é um processo que se insere no controle de qualidade da obra, e é exercido em todas as etapas de obtenção do concreto: escolha dos materiais constituintes para boa relação custo/benefício; aplicação de qualidade com bom desempenho do material no estado fresco; e, posteriormente, bom desempenho no estado endurecido. Também faz parte do controle tecnológico manter vigilância sobre fatores externos influenciadores, como a localização da obra e o clima.

Para Holanda, na produção do concreto a correta dosagem dos elementos é uma “arte”. A mistura ideal de cimento, água, agregados, adições e aditivos é delicada, e é preciso lançar um olhar ainda mais preciso para os elementos que não vêm prontos de fornecedores: água e agregados. São dois elementos que não podem estar nem em excesso e nem em falta, e vão colaborar para se ter um concreto homogêneo e durável. Esse controle preciso pode significar a compra de menos cimento, o que se traduz em economia para a obra. “O segredo é uniformidade”, afirmou Holanda.

Também foi abordada a importância em parar o processo do concreto ao menor sinal de desconformidade, sendo fundamental controlar os fornecedores de agregados para o cimento, a qualidade dos agregados que chegam na carreta e a boa condição da betoneira. Após a aplicação também se faz necessário acompanhar etapas como adensamento, acabamento, cura e desforma. Em seguida, a inspeção vai conferir se está tudo conforme, e se não, serão feitos reparos.

Holanda destacou que o controle tecnológico não é feito à revelia dos profissionais, mas sim seguindo normas, e quando as mesmas não são seguidas configura-se um risco.

As built: rastreabilidade da obra e dados de qualidade

O engenheiro civil reforçou a importância de se ter organização em todos os processos de obtenção do concreto, de modo que as informações não se misturem e possa ser feito um registro constante da obra. Sem isso, erros cometidos e só verificados na amostragem podem ficar sem “rastro” e poderão acontecer novamente. “Mantendo o histórico a obra tem rastreabilidade desde o início. Daqui a 20 anos, quem tiver acesso às informações dessa obra vai conseguir analisar que para determinado pilar foi utilizado um certo corpo de prova, uma certa concreteira, um certo caminhão. Se não tivermos a organização dessas informações, não faremos um bom as built“, afirmou Raphael Holanda. O procedimento se faz ainda mais importante em obras que utilizam diferentes fontes de cimento, vários caminhões, várias betoneiras. Com a organização de tudo isso, ganha-se qualidade.

São ações necessárias para mitigar o foco vigente hoje na obra que é a construção, em contraposição ao estudo prévio, como era no passado. “Hoje a obra virou checagem, o cronograma tem que ser buscado, até com uma certa obsessão. Temos que tomar cuidado porque isso pode ser um círculo vicioso e precisamos achar o ponto de equilíbrio”.

O objetivo é economizar e ter um empreendimento de maior durabilidade: “Quanto mais nós conseguimos fazer o acompanhamento periódico, impermeabilização, proteção das estruturas, mais vamos prolongando essa vida. Quanto mais essas estruturas durarem, por mais tempo vão servir à sociedade”.

Receba nossos informes!

Cadastre seu e-mail para receber nossos informes eletrônicos.

O Clube de Engenharia não envia mensagens não solicitadas.
Skip to content