Entidades da sociedade civil pedem que Senadores votem contra o PLC 79

Projeto de Lei altera a Lei Geral de Telecomunicações, dificultando universalização da banda larga no Brasil. Foto: Bruno de los Santos/Fotos Públicas

Por Samuel Possebon
Publicado em Teletime (29/11/2018)

Entidades da sociedade civil têm procurado senadores para convencê-los a não votarem pela aprovação do PLC 79/2016. Em carta enviada aos parlamentares no início da semana passada, o Clube de Engenharia, Intervozes, Coletivo Digital e Instituto Bem Estar Brasil argumentam que “um novo modelo regulatório pode e deve ser gestado, mas colocando-se como prioridade a universalização da banda larga de qualidade e com tarifas acessíveis a toda a população”, e por isso pedem aos parlamentares que votem contra o projeto, que muda o marco legal das telecomunicações, e convocam para a realização de um amplo debate sobre as reformas na Lei Geral de Telecomunicações. O PLC 79 é criticado em 10 aspectos no documento (íntegra disponível aqui) , ainda que nem sempre as críticas sejam diretas ao que o projeto coloca, mas sim a questões estruturais do mercado, como a queda de participação de tecnologia nacional, ou a questões que ainda estão em aberto, como os compromissos que serão colocados às empresas ou as condições de renovação do espectro. Confira um resumo das críticas colocadas:

1) Bens reversíveis: argumentam que serão repassados sem custos para as concessionárias e sem compromissos claros de contrapartidas. Apontam ainda as críticas feitas pelo Tribunal de Contas da União à ausência de cálculo sobre o valor dos bens.

2) Exclusão digital: Apontam que 25% da população está excluída digitalmente e que isto demonstra a necessidade de políticas públicas e incapacidade do mercado de promover a universalização, sobretudo nas classes C, D e E das regiões Norte e Nordeste.

3) PIB: argumentam que pela importância da banda larga para o desenvolvimento econômico e qualidade de vida, a banda larga não deveria ser responsabilidade apenas do mercado.

4) Escolas sem internet: As entidades lembram que as concessionárias têm obrigações de levar banda larga a escolas públicas urbanas, e que a mudança de regime ara autorizações deixaria as empresas desobrigadas do cumprimento deste compromisso.

5) Renovação ilimitada das licenças de frequências e posições orbitais: Dizem que o modelo de renovação de espectro impede políticas públicas com o uso do espectro e que abriria mão de R$ 70 bilhões em licitações obrigatórias.

6) Abrandamento da regulamentação: Argumentam que o PLC 79 promove a liberação das regras, com riscos para a qualidade de serviço.

7) Desnacionalização do setor de telecomunicações: criticam a queda de participação da indústria nacional no mercado de telecomunicações, que teria caído de 77% para 3% e pedem uma política de incentivos.

8) Nova privatização: Argumentam que o PLC 79 representa uma nova privatização ao transferir infraestrutura para empresas privadas, reduzindo a capacidade do Estado de estabelecer políticas.

9) Erro na avaliação das concessões: Apontam que o PLC 79 deveria considerar o fluxo de caixa desde assinatura dos contratos de concessão até a
conversão para autorização nos cálculos do valor de migração.

10) Provedores: argumentam que o PLC 79 favorece a concentração de mercado e inibe o crescimento de mais de 6 mil provedores de Internet.

Vale lembrar que o PLC 79 está na espera para ser votado em plenário, mas para isso depende da leitura e votação dos pedidos de urgência, do contrário o projeto precisaria voltar para a Comissão de Ciência, Tecnologia e Comunicação (CCTCI) para apreciação das 16 emendas apresentadas. Estas emendas, oferecidas por parlamentares da oposição, estão em linha com boa parte das críticas colocadas pelas entidades.

Receba nossos informes!

Cadastre seu e-mail para receber nossos informes eletrônicos.

O Clube de Engenharia não envia mensagens não solicitadas.
Skip to content