Saltar para o conteúdo
artigo 16/08/2017

Eleições de 2017 no Clube de Engenharia

Como ocorre anualmente, sempre em agosto, o Clube de Engenharia renova, pelo voto, um terço dos membros do seu principal fórum de debate e decisão. No entanto, as eleições de2017 para o Conselho Diretor assumem, pela gravidade do momento, uma dimensão ímpar, merecedora de profunda reflexão de todos, candidatos e eleitores.

Nosso objetivo deve ir muito além da disputa eleitoral. O Brasil de hoje exige muito mais que o esforço para a renovação de lideranças. Devemos somar nossas forças para que o pleito consiga reunir o maior número possível de eleitores, de forma a atingir um quórum significativo, que venha a respaldar a posição do Clube. Devemos trabalhar em todas as vertentes para que a voz da engenharia e de sua entidade centenária se faça ouvir e possa ecoar Brasil afora. 

Hoje, mais do que nunca, cabe ao Conselho Diretor, nossa instância máxima, demonstrar que está à altura de sua trajetória e manter vivas as históricas bandeiras em defesa da democracia, da soberania e da

O fio que nos une é o da História! 

É inquestionável que as perspectivas que nos são impostas exigem outro olhar sobre os caminhos a trilhar, porque vivemos em um país submetido a um processo de desmonte sistemático das conquistas acumuladas ao longo das oito últimas décadas. Vivemos sob a ameaça de um projeto político que quer nos devolver à condição de meros exportadores de matérias-primas. De oitava economia do mundo querem nos fazer voltar aos tempos do Brasil-Colônia.

Aprovamos recentemente no Conselho Diretor a proposta sobre a reestruturação do sistema elétrico brasileiro, quando nos posicionamos consagrando o princípio de que energia elétrica é serviço de utilidade pública,
não podendo suas tarifas ficarem ao sabor do mercado. Tal possibilidade constitui situação que dificulta a realização de investimentos produtivos, inibe
a geração de empregos e barra o desenvolvimento econômico, socialmente inclusivo.

Por isso, conclamamos todos os associados, todas as chapas e entidades parceiras para cerrar fileiras pela união de nossas forças em torno da resistência ao desmonte em curso. Afinal, o que está em jogo é o patrimônio do nosso povo.

A Diretoria