Saltar para o conteúdo
foto 06/12/2013

Esgoto sanitário e sustentabilidade ambiental

  • Compondo a mesa: Miguel Freitas, João Marcelo Nascimento, Francis Bogossian, Paulo Murat e Adacto Otoni. Foto: Fernando Alvim.
  • Paulo Murat, um dos organizadores do evento.
  • João Marcelo Nascimento fala sobre as contradições do Brasil na área.
  • Miguel Freitas, gerente de Tratamento de Esgoto da CEDAE
  • Adacto Otoni em sua apresentação sobre reuso da água tratada

“Menos da metade da população brasileira tem acesso à rede de coleta de esgoto”, foi com essa informação que o chefe da Divisão Técnica de Engenharia Química (DTEQ), Paulo Murat, deu início a um importante debate organizado pela DTEQ, em parceria com as DTEs de Engenharia do Ambiente (DEA) e de Recursos Hídricos e Saneamento (DRHS). Ou seja, estamos falando de um total de cem milhões de pessoas sem esgoto no país inteiro. “O esgoto não tratado acaba sendo jogado in natura todos os dias nos rios e mares, tornando-se um veículo transmissor de doença que atinge a todos”, concluiu Paulo. O presidente do Clube de Engenharia, Francis Bogossian, foi o responsável pela abertura do evento. Francis ressaltou a importância de um debate técnico nessa área, já que se trata de uma questão ambiental e de saúde pública. (Leia a matéria completa aqui)

Fotos: Fernando Alvim