Saltar para o conteúdo
notícia 10/10/2016

Inventores Brasileiros

Eles só não conseguem inventar um modo de ganhar dinheiro

Quem lê O Mago, biografia de Paulo Coelho escrita por Fernando Morais, encontra uma informação surpreendente na página 81. Não é sobre a vida de Paulo, um dos escritores mais lidos do planeta, mas sobre um tio. Um engenheiro mecânico chamado José Braz Araripe.

O ilustre desconhecido é nada menos do que o inventor do câmbio automático. É verdade que foi a GM quem produziu o primeiro carro hidramático, em 1938. Mas só conseguiu desenvolver o câmbio por causa do protótipo e do projeto que Araripe e seu parceiro, Fernando Lemos, venderam à empresa, em 1932.

Até onde Paulo Coelho ficou sabendo, cada um deles ganhou o suficiente para passar o resto da vida em razoável conforto: foram US$ 10 mil, o equivalente hoje a meio milhão de dólares.

"Posso fabricar cartões para tudo, menos para telefones". Nelson Bardini, engenheiro que inventou o cartão telefônico
"Posso fabricar cartões para tudo, menos para telefones". Nelson Bardini, engenheiro que inventou o cartão telefônico

Mas raramente os dois são reconhecidos pelo que criaram, tal como vários outros inventores brasileiros (leia quadro). Do cartão telefônico ao Walkman, da radiofonia ao cinema 3D, do avião ao Bina. Pessoas que, além de não terem sido reconhecidas, pouco ou nada obtiveram com aquilo que inventaram.

Apesar disso, seus inventos transformaram o dia a dia de cidadãos do mundo inteiro e ajudaram a impulsionar grandes empreendimentos. A Sony, por exemplo, não se celebrizou por ter lançado o sistema Betamax, mas, sim, porque se tornou a fabricante do Walkman.

A lista de inventores brasileiros cuja autoria deixou de ser reconhecida é grande. Santos Dumont é um desses casos. Para os americanos, por exemplo, quem inventou o avião foram os irmãos Orville e Wilbur Wright, seus compatriotas.

Dumont nunca chegou a fabricar aeronaves ou peças, não transformou seu invento num produto. Os irmãos Wright, sim. Outro exemplo clássico de inventor desconhecido é Andreas Pavel, um alemão que veio para São Paulo aos seis anos de idade.

Foi ele quem primeiro construiu um aparelho para ouvir fitas cassete onde quisesse, usando fones de ouvido. O equipamento, batizado como "Stereobelt", foi testado na Suíça pela primeira vez em 1972, enquanto ele caminhava sob uma nevasca com sua namorada. Ele tentou vender a ideia a vários fabricantes, mas não conseguiu. Ainda assim, registrou a patente na Itália.

Só depois de 25 anos conseguiu com a Sony um acordo para receber royalties pela patente. Do mesmo modo, o italiano Guglielmo Marconi inventou o rádio, mas seu aparelho só transmitia os bips do código Morse.

Quem inventou o aparelho que transmite voz, ou seja, a radiofonia, foi o padre gaúcho Roberto Landell de Moura, em 1900. Ele chegou a registrar a patente no Brasil e nos EUA, mas não passou desse ponto. Não houve apoio do  governo brasileiro sequer para uma experiência de transmissão entre dois navios da Marinha.

Por que isso aconteceu a tantos inventores? A resposta tem vários aspectos, e começa com a falta de conhecimento deles mesmos sobre as diferenças que existem entre uma invenção e um produto destinado ao mercado.

Todo mundo que inventa alguma coisa acha que vai dar conta da produção e comercialização, alerta Carlos Mazzei, presidente da Associação Nacional dos Inventores.

Agir sozinho, ele garante, envolve uma possibilidade de fracasso gigantesca. Em 24 anos de contato com essas pessoas, Mazzei concluiu que 95% delas não têm aptidão para se tornar fabricantes: "Quando tentam fazer isso, os inventores acabam se dando mal."

Mas existe um caminho seguro, de apenas duas etapas, explica o presidente da associação: "A primeira é registrar o invento no INPI, o Instituto Nacional da Propriedade Industrial. A segunda, procurar um bom fabricante", conclui.

Carlos Alberto dos Santos, diretor técnico do Sebrae, acha que essa questão é complexa para quem inventa: "Por um lado, o inventor tem o saber, mas, por outro, não domina o fazer", explica. Nas empresas grandes, diz Santos, essa diferença é coberta pelos departamentos de pesquisa e desenvolvimento. "O pré-sal é resultado justamente dessa estratégia", acrescenta.

Nélio Nicolai, técnico em eletrônica que em 1977 inventou o identificador de chamadas Bina, não descobriu um bom caminho para seu equipamento. Pior: concluiu que foi lesado pelas empresas com as quais fez parcerias. Se eu não tivesse sido roubado, só os royalties do Bina em celulares renderiam R$ 4 bilhões por mês ao Brasil, garante ele.

Seus cálculos se baseiam nos cinco bilhões de aparelhos que usam sua invenção no mundo inteiro. Quando inventou o Bina, Nicolai estava na Telebrasília, mas em 1985 foi demitido. 

A razão? Foi porque incomodava seus superiores com "uma invenção que não tinha mercado", explica. Embora tenha registrado a patente no Brasil e no Exterior, não conseguiu fazer valer os direitos que supunha ter, e muito menos ganhar o que esperava.

Resultado: segundo ele, o Bina foi copiado em todo o planeta. A reação de Nicolai foi abrir processos contra várias empresas do setor. Mas esses processos continuam rastejando pelas prateleiras do Judiciário brasileiro.

Nelson Bardini, engenheiro eletricista que inventou o cartão telefônico, fez justamente o que Mazzei, da Associação dos Inventores, e Santos, do Sebrae, recomendam.

Mas também não teve sucesso. Em 1978, dois anos depois da invenção, foi convidado para trabalhar no Centro de Pesquisas da Telebrás, o CPqD, em Campinas. Então, conta ele, as pressões começaram: "O Ministério das Comunicações pediu que o CPqD desenvolvesse um telefone público que usasse cartão. Eu sabia como fabricar os cartões, e havia cedido a patente para uma empresa. Pois bem, houve tanta pressão sobre mim e sobre a empresa que cedemos os direitos de fabricação de cartões telefônicos. Posso fabricá-los, mas para outras finalidades", diz.

Santos, diretor do Sebrae, lembra que, embora ele tivesse a patente, isso é apenas um dos passos para o sucesso de uma inovação desse tamanho. Para inventores e inovadores, o órgão tem hoje programas capazes de abrir caminhos bem mais seguros que os de Nicolai e Bardini: "A estratégia necessária para levar um invento ao mercado raramente está entre as competências dos inventores. Cientistas não são pessoas que tenham grandes habilidades gerenciais", conclui.

Hoje, já existe uma legislação específica para proteger e incentivar os inventores e descobridores, explica o presidente do INPI, Jorge Ávila. É a chamada "lei da inovação", publicada em 2004.

Depois dela, aumentou muito o número de recursos e financiamentos para apoiar inventores e pesquisadores. Especialmente os de instituições de ciência e tecnologia, como as universidades e os centros de pesquisa.

A grande novidade da lei é que ela exige a criação de núcleos que administrem a transferência de conhecimento dessas instituições para o mercado. "Muitos desses núcleos já estão criados e operando. Estão na PUC do Rio Grande do Sul, na Unicamp, UFRJ, USP e UFMG, por exemplo", conta Ávila.

Nos últimos anos, ao organizarem as informações sobre patentes, as universidades descobriram que muitas delas, nascidas em seus laboratórios, estavam registradas em nome de professores. "Isso não aconteceu por má-fé", explica o presidente do INPI, "mas porque, na época em que elas foram pedidas, não havia estratégias nem estruturas para ajudar esses pesquisadores", esclarece.

A Unicamp, que registra patentes desde 1984, é uma das instituições que mais entram com pedidos no INPI (leia  quadro). Até a metade de julho deste ano, já havia feito 631 pedidos. A transferência do conhecimento entre os laboratórios e o mercado é feita pelo Inova, departamento dirigido pela engenheira e professora Patrícia Toledo.

Segundo ela, a lei da inovação foi de fato um divisor de águas. "Antes dela, a universidade levou quase 20 anos para pedir o registro de 275 patentes; depois da abertura do Inova, pediu 196 em apenas três anos."

Quando um pesquisador faz uma descoberta que pode se tornar um produto, entra em contato e o departamento começa a tomar providências: "Primeiro, avaliamos se é possível proteger o invento ou descoberta por meio de patente. Depois, uma equipe avalia o potencial de mercado e vai às empresas que possam ter interesse naquilo. E, quando a descoberta se transforma em produto, todos ganham: Os royalties são divididos em partes iguais entre a universidade, o departamento responsável pela pesquisa e o próprio pesquisador", finaliza.