Saltar para o conteúdo
notícia 16/10/2014

Novas Tecnologias em Concreto Armado

Para falar sobre as Novas Tecnologias em Concreto Armado o Clube de Engenharia recebeu, dia 13 de outubro,  o professor Roberto Chust de Carvalho. O destaque especial da apresentação foi o concreto protendido, tecnologia com maior resistência à tração e, por isso, bastante usado em estruturas que exigem muita flexibilidade.

Doutor em Engenharia de Estruturas e Mestre em Engenharia de Estruturas pela USP; graduado em Engenharia Civil pela UFRJ e autor dos livros Cálculo e Detalhamento de Estruturas Usuais de Concreto Armado, Vol. I e II e Estruturas em Concreto Protendido, Chust possui  larga experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Estruturas de Concreto.

Apresentado pelo engenheiro civil Ricardo Khichfy, chefe da Divisão Técnica de Construção, o professor abriu a palestra destacando a importância do concreto armado e dos cuidados necessários ao seu correto posicionamento. Segundo informou, é nessa operação que acontecem as falhas mais frequentes nos projetos, comprometendo as peças com as temidas fissuras.

Ainda de acordo com o professor,  o concreto protendido é um exemplo de tecnologia que serve para impedir a formação de fissuras ou pelo menos restringi-las, melhorando tanto o desempenho da peça, quanto a durabilidade. Faz com que se possa usar um aço de alta resistência. Essa é a grande vantagem do protendido, coisa que no armado não seria possível. 

O professor alertou sobre a importância de o cálculo ser feito até o final, para saber o custo-benefício do uso ou não do concreto armado. Inicialmente o concreto protendido pode parecer mais caro, mas não exige mão de obra e resiste três vezes mais que o concreto armado. Por ser uma tecnologia inteligente, duradoura e eficaz é usada mundialmente em projetos de grande, médio ou pequeno porte. 

Na comparação com o concreto armado, o concreto protendido tem outras vantagens: redução das tensões de tração provocadas pela flexão; menor incidência de fissuras; redução nas quantidades necessárias de concreto e de aço; pode ser usado em vãos maiores que o concreto armado, possibilitando ainda o desenho de elementos estruturais com seções transversais de menor dimensão; e ainda facilita o uso da pré-moldagem.