Com grande participação da sociedade civil representada por jornalistas, radialistas, sindicalistas, juristas, deputados, vereadores e representantes de entidades de classe e do executivo federal, o Seminário Marco Regulatório – Propostas para uma Comunicação Democrática lotou, nos dias 20 e 25 de maio, o grande auditório do 25º andar para um debate considerado um dos mais relevantes para a manutenção, aprimoramento e consolidação do Brasil como um Estado democrático de fato: a regulamentação da comunicação no país. 

Promovido pelo Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação com o apoio do Clube e da Ford Foundation (FF), o evento trouxe de volta as pautas da 1ª Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), que aprovou cerca de 600 propostas que apontam para a regulamentação dos artigos constitucionais que tratam da comunicação social no país. Temas como a regulamentação de conteúdo com garantias de espaço para programação genuinamente nacional e produção independente e convergência de meios foram debatidos por especialistas e lideranças do setor. 

A mesa de abertura contou com nomes de grande expressão na luta travada na sociedade civil e no legislativo pelo avanço no processo regulatório da comunicação, tais como a deputada federal Luiza Erundina (PSB/SP), coordenadora-geral da Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e o Direito à Comunicação com Participação Popular; deputada federal Jandira Feghali (PC do B/RJ), presidente da Frente Parlamentar da Cultura; deputado estadual Paulo Ramos (PDT/RJ), autor do proejto de lei que cria o Conselho estadual de Comunicação Social e o vereador Reimont (PT/RJ), presidente da Frente Parlamentar em prol da Democratização da Comunicação e da Cultura da Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Na mesma mesa, representando duas das entidades civis mais atuantes e combativas na luta pela soberania nacional, o Clube de Engenharia e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) foram representadas pelos seus presidentes, Manoel Lapa (em exercício) e Celso Schröder, respectivamente. 

Segundo Lapa, receber o evento é para o Clube, que tem o novo marco regulatório como uma de suas bandeiras através do trabalho da divisão técnica de Eletrônica e Tecnologia da Informação (DETI) -, uma grande honra. “Nós entendemos que só com autonomia tecnológica e com produção de conteúdo local poderemos ter um Brasil com desenvolvimento social sustentável compatível com o tamanho do nosso país e estamos à disposição de todos para essa luta. Essas são causas históricas defendidas pelo Clube de Engenharia, que deseja continuar sendo uma trincheira para todas as lutas legítimas da sociedade civil”, declarou. 

 

 

 

Receba nossos informes!

Cadastre seu e-mail para receber nossos informes eletrônicos.

O Clube de Engenharia não envia mensagens não solicitadas.
Skip to content