Discurso de posse de Maria Helena Diniz do Rego Monteiro Gonçalves

Caros Amigos,

Em primeiro lugar quero agradecer aos associados que nos aprovaram com seu voto e nos proporcionam mais uma vez a honra de servir ao Clube de Engenharia por meio do Conselho Diretor e das DTE. Agradeço de modo especial a vocês que com seus votos me premiaram com o maior número deles, neste pleito.

O resultado demonstra a confirmação da gestão liderada pelo Engº Francis Bogossian desde 2009.
Apesar disso sabemos que precisamos insistir e aprimorar alguns pontos.
Antes, um pouco da minha trajetória, nascida numa família de Engenheiros (meu bisavô era engenheiro da Central), desde sempre pensei em seguir a carreira. O exemplo de meu pai, ex-conselheiro desta casa, foi sem dúvida o testemunho mais forte, aliás, uma responsabilidade, um norte, uma meta.  Quem o conheceu sabe de sua trajetória como homem público, muito inteligente, competente e criativo, e voltado ao bem comum. Meu “irmão caçula” o PLANASA foi considerado, à época, pelo BANCO MUNDIAL, o melhor plano de saneamento.

O mais importante, porém foi a formação recebida de meus pais, num lar católico, com princípios de amor ao próximo e de serviço aos irmãos, é isso que me move a abraçar as causas. Neste quesito há que agradecer igualmente à minha mãe sempre pronta a acolher e a nos apoiar. Ela me ajudou muito na carreira profissional, especialmente quando cuidava de minhas filhas pequenas.
Deixei para o final o meu marido, claro que também é engenheiro, e com ele construímos uma vida, tivemos duas filhas já criadas, as dádivas mais importantes de nossas vidas que nos enchem de orgulho (mesmo não tendo escolhido a engenharia).

Não posso deixar de mencionar e agradecer, a luta das bravas mulheres engenheiras para serem respeitadas no meio profissional, aí quero lembrar uma amiga, um ícone, a Engª Clara Steinberg, nela minha homenagem a todas nós. E é com orgulho que vejo há alguns anos as mulheres liderarem os pleitos aqui no Clube.

Minha primeira eleição para o CD foi a convite do meu líder, Engº Oscar Boechat, para participar da Chapa Convergência, aos pouquinhos ele foi me delegando as tarefas de coordenação. Em 2006, entendendo que o CE precisava de renovação, resolvemos unificar as chapas de oposição, CONVERGÊNCIA, PARTICIPAÇÃO DAS DTE, SOBERANIA NACIONAL e ORDEM E PROGRESSO, sob o nome de Engenharia UNIDA-CEU. A Chapa para Diretoria encabeçada por Paulo Metri conseguiu 43% dos votos, para nós uma vitória, que se consolidou efetivamente, em 2009, com a eleição do Francis, pela chapa CEU (Clube de Engenharia UNIDO).

Notamos que o caminho apontado estava certo, visto que os últimos resultados das urnas o têm aprovado.

Não vou listar detalhadamente aqui as cartas dirigidas às autoridades, os artigos publicados na mídia, o esmero nos textos e conteúdo do jornal do Clube, a participação nos fóruns, tantos quantos possíveis para aumentar a influência e divulgar as posições e propostas desta Casa.
Tambem lembro, a parceria com outras entidades, como o CREA, Seaerj, Abes, ACRJ, Firjan, Aepet, Sindicato... porque juntos somos mais fortes.

Nestes tempos de protestos e justas manifestações, basicamente contra a corrupção nos poderes instituídos, a falta de transparência e intransigência dos governos que não planejam, não fazem projetos, resultanto nos super-faturamentos das obras e enfim não escutam os desejos do povo (metro),  o Clube escolheu participar com a OAB e ABI.

Agora juntos no Conselho Diretor, onde não há mais chapas, mas Clube de Engenharia, defesa da Engenharia e dos engenheiros (aqui englobados arquitetos, geólogos, geógrafos...) e da soberania de nação em vista o bem estar dos brasileiros, vamos insistir nos pontos que ainda precisam ser melhorados e ou instituídos ou revigorados.
As coordenações das DTE estão sendo renovadas e é esse o momento de revitalização, a essência do Clube está aí. Um exemplo a observar, é a atuação da DTE de Transportes e logística que gerou o fórum de mobilidade urbana, com a participação da sociedade civil acolhido e abrigado pelo Clube. Conclamamos às novas coordenações que atuem com vigor e que sejam o embasamento técnico para as decisões do CD.

Inúmeras áreas tem sido objeto de preocupação do Clube, mas sem dúvida a do petróleo é a maior, visto que corremos o risco de entregar afoita e desnecessariamente nosso patrimônio, garantia das gerações futuras. Neste quesito o CE não se cansa de lutar, são cartas, manifestações e agora com as entidades parceiras, AEPET e Sindicato dos Petroleiros a solicitação ao poder judiciário. Hoje ainda temos como agravante, a escancarada espionagem, que pode usurpar todo o conhecimento técnico que esforçadamente conseguimos. Não ao leilão de LIBRA por todas as razões que já conhecemos!
Podia ficar aqui citando tudo o que tem sido feito, mas vamos nos centrar no que vamos fazer juntos, pela engenharia, pelos profissionais, pelo nosso querido e sofrido Brasil.

Deus nos deu tudo, somos abençoados, mas temos muito a fazer, enquanto existirem brasileiros, sem teto, sem saneamento, sem saúde, sem educação, sem energia, etc. teremos muito a construir, e construir com responsabilidade social e ecológica, a favor da igualdade, da fraternidade, da prosperidade, e da justiça para todos os cidadãos de hoje e do futuro.

Obrigada,

Maria Helena Diniz do Rego Monteiro Gonçalves

Receba nossos informes!

Cadastre seu e-mail para receber nossos informes eletrônicos.

O Clube de Engenharia não envia mensagens não solicitadas.
Skip to content