Arqueologia Subaquática no Brasil – Naufrágios na Baía de Guanabara

Tema recorrente nos cinemas, os naufrágios, verdadeiros museus debaixo d’água, são objetos de estudos da Arqueologia Subaquática. Trata-se de uma especialidade da arqueologia que analisa os sítios arqueológicos submersos em rios, lagos, represas, águas marítimas ou oceânicas.

Promovida pela Divisão de Atividades Técnicas (DAT), Divisão Técnica de Transporte e Logística (DTRL) e pelo Centro Brasileiro de Arqueologia (CBA), a palestra “Arqueologia Subaquática no Brasil – Naufrágios na Baía de Guanabara” trouxe, dia 11 de dezembro, conceitos, curiosidades e descobertas sobre este fascinante tema.

O encontro teve início com a apresentação da chefe da DTRL e Presidenta da CBA, Uiara Martins. Em seguida foi realizada a palestra do arqueólogo e mergulhador Luiz Octávio de Castro, com a participação do vice-diretor do Museu Nacional, Renato Ramos.

Apesar de ser uma área interessante, a Arqueologia Subaquática, ainda é pouco divulgada e com pouco investimento. Apenas alguns órgãos, como a Marinha do Brasil e algumas universidades brasileiras conseguem financiar alguns projetos. A realidade nacional, hoje, segundo Luiz Octávio, são empresas contratadas para fazer o que se chama salvatagem, que é a recuperação de naufrágios e suas peças históricas, arqueológicas e náuticas. Sendo, posteriormente, feita uma partilha dos bens encontrados entre Governo ou Órgão Fiscal e a empresa financiadora, de acordo com o contrato que foi pré-estabelecido.

Luiz Octávio de Castro fez ainda uma abordagem arqueológica de alguns naufrágios conhecidos ocorridos na Baía de Guanabara, mas pouco explorados por conta da dificuldade de acesso, como o naufrágio do Paquete Alemão Buenos Aires, em 1980. Lembrando que pela Lei n° 7.542/86, conhecida como Lei Sarney dos Naufrágios, naufrágios do século XVI, XVII e XVIII pertencem automaticamente à União.

“Há alguns anos, vinte, trinta, era preciso uma autorização especial para que fosse possível mergulhar nesse naufrágio cientificamente; ou seja, não só um mergulho recreacional, mas um mergulho feito para vistoria ou breve observação do sinistro”, lembrou o arqueólogo.

Receba nossos informes!

Cadastre seu e-mail para receber nossos informes eletrônicos.

O Clube de Engenharia não envia mensagens não solicitadas.
Skip to content