Contra a privatização do sistema Eletrobras

O Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro, junto à Frente Brasil Popular e o Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE), convida trabalhadores, movimentos sociais, sindicais e populares para dizer não à privatização das empresas do sistema Eletrobrás.. 

A manifestação acontecerá na amanhã, quarta-feira (27/1), data em que está agendada a reunião entre as organizações e os ministros Jacques Wagner, da Casa Civil, e Ricardo Berzoini, da Secretaria de Governo. Haverá um ato nacional em Brasília e nas demais capitais que abrigam sedes das empresas do sistema. No Rio de Janeiro, os movimentos vão se manifestar a partir das 12h em frente à sede, na Avenida Presidente Vargas, nº 409.

Manifestações semelhantes ocorrem desde o ano passado, quando foi anunciada a venda da distribuidora Celg, de Goiás, com leilão previsto para março de 2016. Há também o indicativo, por parte da Eletrobrás, a respeito da venda de outras seis distribuidoras federalizadas. 

A empresa sofre com a ameaça da abertura de capital de Furnas. No dia 13 de janeiro, o presidente de Furnas anunciou oficialmente a iniciativa de colocar 30% das ações no mercado. A atitude aponta para uma clara tentativa de privatização, conforme denunciaram os sindicatos signatários do último boletim da Intersindical Furnas. As entidades discordam da venda das ações, “não só por questão política e ideológica, mas por ser esse projeto uma verdadeira transferência de riqueza gerada por uma empresa do povo brasileiro para o capital especulativo". 

Na última terça-feira (19/1), os ministros Jacques Wagner, da Casa Civil, e Ricardo Berzoini, da Secretaria de Governo, receberam os movimentos sociais e sindicais para uma reunião em Brasília. De acordo com o diretor de negociação coletiva da Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge), Ulisses Kaniak, um dos representantes do Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE) na reunião, os ministros se comprometeram a apresentar a pauta à presidenta Dilma Rousseff. Além disso, foi marcada nova reunião no dia 27/1, quando se comprometeram a dar uma resposta para a reivindicação dos movimentos.

O Coletivo Nacional dos Eletricitários exige um posicionamento firme do governo contra qualquer tipo de privatização, lembrando que ele "deveria ter como obrigação defender os interesses da sociedade e da classe trabalhadora", e não favorecer o capital privado. Para o CNE, é essencial que o governo dialogue com os movimentos.  

Fonte: Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro – Senge RJ

 

Receba nossos informes!

Cadastre seu e-mail para receber nossos informes eletrônicos.

O Clube de Engenharia não envia mensagens não solicitadas.
Skip to content