Saltar para o conteúdo
notícia 08/06/2015

Mineralizações de urânio do Brasil

Para comemorar o Dia do Geólogo, festejado em 30 de maio, a Divisão de Atividades Técnicas 
(DAT) e a Divisão de Recursos Minerais (DRM), do Clube de Engenharia, organizaram a palestra 
Mineralizações de Urânio do Brasil, apresentada dia 2 de junho. A mesa de debates foi 
composta por Benedito Rodrigues, chefe da DRM, Reynaldo Barros, presidente do CREA-RJ, e, 
representando o presidente do Clube, Francis Bogossian, o professor Edson Monteiro, chefe 
de gabinete do Clube e o palestrante convidado, Fernando Mendes Pires.

Geólogo graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde atualmente é 
professor adjunto, Fernando Pires apresentou trabalho desenvolvido no período em que 
atuava nas Indústrias Nucleares do Brasil (INB), a partir de documentos, relatórios internos e 
publicações que reuniu durante esse tempo e que se transformou no livro Urânio no Brasil: 
geologia, jazidas e ocorrências.

A primeira referência sobre ocorrência de urânio no Brasil, de autoria de Djalma Guimarães, 
foi publicada em 1925. De lá para cá, muitas outras descobertas foram feitas, levando a outros 
estudos e sua maior exploração.

A principal jazida de urânio do país está localizada na cidade de Caetité (BA), descoberta em 
1976, e é explorada desde 1998 pela INB, estatal vinculada ao Ministério da Ciência, 
Tecnologia e Inovação. Segundo estimativas realizadas, suas reservas são suficientes para 
abastecer todas as centrais nucleares do Brasil. São retirados anualmente cerca de 400 
toneladas do minério, que posteriormente seguem para Canadá e Europa, onde é enriquecido 
e retorna para ser utilizado nas usinas de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. 

Durante a palestra, Pires deu destaque a detalhes técnicos sobre o urânio, ao mapeamento 
das regiões, onde ocorrem, distribuição das mineralizações, sua concentração, teores e a 
forma como é encontrada.

Perguntado sobre qual das regiões teria o maior valor ambiental, Pires destacou Lagoa Real, 
BA. “Investiria em Lagoa Real, que é a mais importante. Em segundo lugar, Corpo Alemão 
(Carajás, PA), em termo de volume e termo de teor. Em terceiro lugar, em Pitinga (AM), 
porque o corpo é muito grande e tem a possibilidade de produção de outros metais 
associados, como o nióbio e o estanho”.