Saltar para o conteúdo
notícia 26/05/2015

Projetos de Usinas Hidrelétricas

Usina Hidrelétrica Tucuruí Fonte: http://www.eln.gov.br/
Usina Hidrelétrica Tucuruí Fonte: http://www.eln.gov.br/

No dia 21 de maio, o Clube de Engenharia recebeu o engenheiro civil Geraldo Magela Pereira para o lançamento do livro Projeto de Usinas Hidrelétricas. Baseado nas experiências do autor, o livro trata de todos os aspectos do projeto de uma usina hidrelétrica, bem como do reservatório, da subestação de manobra e da linha de transmissão associada, além de abordar estudos hidrológicos e energéticos, geológicos e geotécnicos.

Pensado para o público de jovens profissionais das diversas áreas da engenharia, o livro conta com vários exemplos de projetos de hidrelétricas brasileiras. Um passo a passo em doze capítulos. Um deles, em especial, trata dos principais acidentes com barragens no Brasil e no mundo.

Durante a palestra, Magela apresentou slides dos projetos seguindo o roteiro que compõe os capítulos do livro. O palestrante deu destaque aos reservatórios e ao uso múltiplo da água. “Há cinco mil anos os chineses já faziam reservatórios para ter água para beber. Então era corrida atrás da água e da alimentação, o abrigo ficava em terceiro plano”, destacou.

Na segunda parte da palestra Magela interagiu com os participantes respondendo questionamentos acerca do tema, além de problematizar os projetos das Usinas Hidrelétricas de Balbina e Tucuruí, dos quais fez parte.

Respondendo a um questionamento do diretor do Clube de Engenharia, Luiz Carneiro, sobre a opinião dele com relação a fazer usinas sem reservatórios, Magela disse ser a favor dos reservatórios sempre, apesar dos impactos. “Nos Estados Unidos, há cerca de 85 mil barragens, cujos reservatórios somam 810 km³ e os lagos naturais têm 19 mil. Aqui tem essas organizações tentando convencer as pessoas que os reservatórios feitos pelo homem foram um erro ambientalmente intolerável. Os reservatórios são fantásticos, energia renovável, limpa”, concluiu.

Apresentada pelo professor Jorge Rios, diretor da ABES-Rio e Chefe da Divisão Técnica de Recursos Hídricos e Saneamento (DRHS) a palestra foi promovida pela DRHS e pela Divisão de Atividades Técnicas (DAT) e teve apoio da Associação de Profissionais Especializados na França (ABPEF).