Saltar para o conteúdo
notícia 29/11/2016

Informe 28/11 - Clube de Engenharia participa no Congresso de debate sobre a indústria da Defesa

Clube de Engenharia participa no Congresso Nacional
de debate histórico sobre a indústria da Defesa

No dia 23 de novembro, a Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados realizou, no auditório Nereu Ramos, o seminário Defesa: Política de Estado – Soberania, Desenvolvimento e Inovação Tecnológica. O encontro, com participação de representantes do Governo Federal, Forças Armadas, empresários, academia, indústrias e jornalistas buscou ampliar o debate sobre ações políticas, legislativas e orçamentárias para garantir as condições necessárias para a implantação de uma Estratégia Nacional de Defesa.

Convidado a participar, o Clube de Engenharia foi representado por seu diretor de Atividades Técnicas, Carlos Ferreira, que também deu ênfase à necessidade absoluta de fazer com que estratégias de defesa sejam entendidas como Política de Estado. Afirmando a qualidade dos três documentos que compõem a estratégia nacional de defesa – o Livro Branco de Defesa Nacional, Estratégia Nacional de Defesa e Política Nacional de Defesa – apontou a importância de a nação brasileira encontrar caminhos que façam com que as linhas ali traçadas se tornem, de fato, realidade. “Graças a esta Casa, esses magníficos documentos se transformaram em lei. O importante agora é que a lei seja cumprida e aí está o problema: o que está nos textos da lei está difícil de ser implementado”, destacou.

Entre os muitos pontos abordados por Carlos Ferreira destaca-se o debate sobre o papel do Estado como indutor do desenvolvimento da indústria da defesa. Não só por ser o principal cliente, mas por ser uma área que tem como característica projetos de longo prazo de maturação, mão de obra extremamente especializada, cara, e de difícil reposição. “É necessário que o setor tenha assegurado um cronograma físico/financeiro que precisa ter continuidade. Todos os países atuam apoiando suas indústrias de Defesa” ressaltou.

A inexistência de um Plano Nacional de Desenvolvimento e a sua influência nas dificuldades da área da defesa também foram destaques. Em pauta, a correlação direta refletida em um projeto forte de defesa que favorece um projeto forte de desenvolvimento. Ferreira defende que um país como o Brasil precisa de um Plano Nacional de Desenvolvimento, estratégico, no qual a Indústria de Defesa é parte fundamental.

Além de falar sobre os setores aeroespacial, nuclear e cibernético, Carlos Ferreira apontou caminhos possíveis, como o papel central da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados no acompanhamento das políticas do setor, estabelecidas por lei, bem como nos programas estratégicos. Para ele, a Comissão pode atuar buscando fontes alternativas de financiamento, assegurando os recursos orçamentários - e evitando os recorrentes contingenciamentos.

“O Clube de Engenharia, através da implementação de seu Núcleo de Defesa, pretende atuar junto às entidades no desenvolvimento tecnológico e da engenharia, criando pontes para a interlocução com a sociedade brasileira”, finalizou.

Para ler a cobertura completa e assistir ao vídeo das apresentações, clique aqui.

O áudio da apresentação do diretor Carlos Ferreira pode ser escutado clicando aqui.