O Serviço Geológico Brasileiro (CPRM), por meio do "Projeto Diamante Brasil" do Departamento de Recursos Minerais(Derem), participou de uma campanha de campo multi-institucional na região de Juína, Noroeste do Mato Grosso.

O campo diamantífero de Juína, maior produtor nacional de diamantes na atualidade, é mundialmente conhecido por conter diamantes originados a profundidades extremamente elevadas (400 a 600 km). Estes são denominados "diamantes superprofundos" e são conhecidos em poucos locais do planeta, Juína é um deles.

cprm-diamantes-profundos-de-juina

Recentemente, o artigo "Geologia: reservatório de água profunda da Terra" foi publicado na revista Nature confirmando a primeira evidência natural da ocorrência do mineral ringwoodita, um polimorfo de alta pressão da olivina capaz de apresentar até 2,5% em peso de água. Este fato gerou grande repercussão no meio científico principalmente em função da afirmação de que a zona de transição terrestre pode apresentar água em abundância. A proposição para este artigo partiu do estudo de inclusões minerais em um diamante de Juína.

Para dar continuidade às recentes pesquisas publicadas, ampliar os conhecimentos sobre os peculiares diamantes de Juína e, consequentemente, das zonas ultraprofundas da Terra, foi realizada a etapa de campo com o objetivo de adquirir amostras de diamantes para estudos laboratoriais diversos (morfologia, microssonda, difração de raios-X, espectroscopia com infravermelho, espectroscopia Raman, etc).

Cabe destacar que estas amostras não contêm valor comercial significativo em termo de diamante tipo gema, apresentando, em geral, baixa quilatagem (< 1 ct), grande quantidade de inclusões e de defeitos estruturais (como p. ex., fraturas preenchidas por minerais do manto). Os diamantes foram todos obtidos em atividade de mineração na área de Juína e legalizados em conformidade com o processo de Certificação Kimberley.

cprm-diamantes-profundos-de-juina-2A campanha de campo ocorreu no período de 17 a 24 de maio e participaram os seguintes pesquisadores: Marina Dalla Costa, da Universidade de Brasília (UnB); Ricardo Weska, da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT); Steven Shirey, do Carnigie Institution for Science; Graham Pearson, da University of Alberta; Izaac Cabral, do Serviço Geológico do Brasil. Também contribuíram substancialmente com essa etapa as empresas locais SL Mineradora Ltda, por meio de Paulo Traven; Cooperativa de Produtores de Diamantes Ltda (Cooprodil) com Roberto Veronese e Romeu Veronese; e o prospector Océlio Alcarás. Para realização teve a colaboração de Francisco Valdir Silveira Chefe de Departamento de Recursos Minerais e Débora Araújo, da Universidade de Brasília (UnB);

Fonte: CPRM - Serviço Geológico do Brasil - 06/06/2014

Receba nossos informes!

Cadastre seu e-mail para receber nossos informes eletrônicos.

O Clube de Engenharia não envia mensagens não solicitadas.
Skip to content